Arquivo do mês: outubro 2009

Vieri no Fogão!

Sensacional! Imperdível! Glorioso! Impressionante!  Com todos os pontos de exclamação, itálicos, negritos e sublinhados! Parem as máquinas, porque a notícia é realment sensacional e foi destaque no mundo todo. Mas confesso que fui um dos últimos a saber. Crhistian Vieri, atacante italiano de 32 anos, deve jogar o Paulista de 2010 pelo BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE!

vieri

O atacante italiano Vieri, de 32 anos, deve fechar com o Botafogo para o Paulista de 2010: Forza, Pantera!

Estava moscando no MSN (horário de almoço, viu bando de maldoso?) quando Sérgio Pinho, fotógrafo excelente do Comércio da Franca, veio me parabenizar pela contratação do meu time.

Primeiro, disse que não acreditava. Discutimos animadamente sobre o passado do craque e eu encerrei a conversa com a seguinte frase: “O Palmeiras não tem mais mesmo o que inventar”.

Ai veio a revelação: “Que Palmeiras mané Palmeiras, seu doente. É o Botafogo!”

Fiquei pasmo. Não quis acreditar. Perguntei quem tinha sido o demente a publicar um absurdo desses. E olha que, a essa altura do campeonato, não esperava mais ver um jogador com passagens gloriosas pela seleção de seu país vestir o manto sagrado do Tricolor de Santa Cruz! But it happens!

Christian Vieri, que disputou duas copas do mundo pela Itália, já tem pré-contrato com o Botinha e deve disputar o Paulistão pela equipe de Ribeirão. Com 32 anos, tem tudo para ser o maestro da equipe. Ganha o torcedor, ganha o Paulistão…só perde a bafudaiada, que vai ter, mais uma vez, que assistir de camarote (e na A-3) o sucesso do Pantera.

O Bota ainda negocia com outro veterano da velha bota, Francesco Coco, lateral esquerdo que disputou a Copa de 2002 pela Azzurra.

Alguém duvida que o Paulista de 2010 já tem dono? E é do interior!

Ameaças

A boa e velha história das ameaças contra a prefeita Dárcy Vera (DEM), que muitos julgavam caso encerrado, continuam. Segundo assessores diretos da prefeita rosa, é rara a semana na qual ela não recebe ao menos uma ligação. Com isso, um oficial da Guarda Civil Municipal tem acompanhado a prefeita, a paisana, em todos os compromissos públicos e mesmo em sua rotina particular. Isso sem falar no bom e velho Japa, chefe de gabinete democratra e que já foi integrante da segurança de José Serra (PSDB).

Outra notícia quente: a mesma fonte corneteira, altamente confiável, diz, com certa maldade, que um assessor rosa da prefeita rosa estaria, inclusive, fazendo as vezes de leão de chácara e tomando satisfações de desafetos que, em sua visão, poderiam ser os autores da ameaça. Mais detalhes sobre o fato em beve, neste bat espaço, neste batcanal.

Educação no lixo

O destaque da semana no jornalismo em Ribeirão foi, sem dúvida, matéria de Juliana Coissi, da Folha Ribeirão, que relata que livros didáticos foram encontrados no lixo da escola Eugênio Vilhena, na Vila Virgínia. Uma excelente sacada – ou uma excelente fonte, dá no mesmo – fez com que a matéria arranhasse um dos mais graves problemas da Educação em São Paulo. É o tipo de matéria que dá gosto de ver publicada.

No caso narrado pela Folha, a diretora foi exonerada. Acontece que, embora seja extremamente grave, o fato só demonstra como o sistema funciona. E acreditem, dá medo.

Primeiro, preciso dizer que sou filho de dois professores. Meu pai dá aula de Educação Física na rede municipal de Jardinópolis e minha mãe é professora da rede estadual em Ribeirão, mas atualmente está como vice-diretora de uma escola da cidade. Também já trabalhei em projetos da Diretoria de Ensino e conheço um pouco como funciona a coisa dentro das escolas.

Coisas tão absurdas quanto essa acontecem dentro das escolas estaduais e ninguém fica sabendo. O dia que algum jornalista investigativo sério e competente – tipo Rogério Pagnan ou Evandro Spinelli, dois grandes mestres – pegarem pra ver o que acontece com a merenda paulista, não vai cair só uma diretora de escola. O mesmo se aplica à compra e destinação de livros didáticos. Sala de informática, então, é a sede de 60% das maracutaias. A bandidagem e a desorganização é tanta que se gasta o dobro do que seria necessário e o serviço é perto do medíocre.

É um tal de desviar merenda, de funcionário levar comida e revender, enfim, coisas escabrosas acontecem. O governo, claro, blinda ao máximo para evitar desgaste. Mas fatos como o narrado pela Folha mostram que a blindagem, pelo menos ao que parece, deixa algumas falhas.

Jornalismo moribundo

Por problemas de força maior – ou seja, dos ladrões, que furtaram um veículo de minha mãe – estive ausente ontem. Carro recuperado e problema mais ou menos resolvido, volto ao normal e ao blog.

Primeiro, gostaria de comentar duas matérias publicadas nesta semana no jornal A Cidade. A primeira, de ontem, de autoria do editor de esportes Igor Ramos, diz respeito à utilização, pelo secretário Roberto Palmieri, de carro oficial para atividades particulares. Oportuna a matéria e, sem dúvida, trata-se de uma denúncia de gravidade. A única coisa que não se pode dizer é que seja nova.

Parabéns ao bafudo Igor Ramos pela publicação, mas o caso traduz com maestria o que julgo ser um dos maiores problemas da imprensa de Ribeirão: a cegueira.

Caso similar pode ser observado na reportagem de Adriana Matiuzzo publicada nesta quinta-feira. No texto, a repórter informa que a Câmara exonerou uma possível funcionária fantasma, que morava e estudava em Franca, fato que havia sido noticiado com exclusividade pelo jornal em matéria anterior.

Sintetizando, as duas reportagens estão corretas e mostram um jornalismo salutar, que devia ser mais praticado. O que não dá pra entender é porque coisas tão óbvias, me arrisco a dizer, que são do conhecimento de boa parte da imprensa, não são publicadas.

O caso dos assessores fantasma na Câmara é notório. Tem assessor que trabalha em programa de televisão de vereador, mas recebe pela Câmara. Tem assessor que dá expediente na empresa do vereador, mas quem paga o salário é o Legislativo. Tem assessor que nunca apareceu na Câmara, assessor que mora em outra cidade, tem assessor que dá expediente em Sindicato, recebe pela Câmara e trabalha em programa de rádio de vereador, enfim, tem picaretagem pra todo gosto. E pior: a imprensa, pelo menos a maior parte dela, sabe. Não sejamos hipócritas: os jornalistas conhecemos bem uns aos outros e sabemos o que cada um faz pra viver.

Da mesma forma, a situação de Palmieri é completamente absurda, mas não é a única. Já houve, inclusive, secretário (a) que mandava buscar filhos na escola com carro oficial. Ou secretário que viajava para sua cidade natal com carro oficial para passar o fim de semana. Ou ainda, mais recentemente, secretário que ia a São Paulo tratar de assuntos particulares e era bancado pelo Poder Público de Ribeirão. Nada era exatamente um segredo. Todas essas situações, com um pouco de jornalismo sério, poderiam ser publicadas sem problema.

Felizmente, para o jornalimo de Ribeirão e para a população, esses dois casos sairam da vala comum e ganharam as páginas, embora a quantidade de picaretagens do gênero que ocorrem cotidianamente seja infinitamente maior. Mas, enfim, as duas reportagens do A Cidade mostram que há esperança. Um jornalismo mais sério e combativo é necessário em Ribeirão, cidade que teve a imprensa amordaçada, por anos, pelas burras de políticos picaretas. Talvez ainda tenha, evidente, como mostra a realidade. Mas a disposição de mexer em algumas feridas é um sinal que o paciente, embora moribundo, ainda está vivo.

ONG avalia vereadores

A notícia não é exatamente nova, mas vale a pena ser comentada. Trata-se do levantamento parcial do grupo Ação Pró Cidadania, que acompanha e avalia a participação dos vereadores na Câmara de Ribeirão Preto.

Maria Regina Sitrângulo Brandeburgo é a líder do grupo. E, segundo o levantamento realizado pela entidade, podemos ver que a coisa ainda está braba, mas bem menos braba do que nas últimas legislaturas. “Posso dizer que vem ocorrendo uma evolução durante as legislaturas, e a atual é mais mais “>aberta ao debate e mais representativa que a última”, avalia.

Reflexo, na minha modesta e humilde opinião, da saída de um verdadeiro câncer, chamado Leopoldo Paulino (PMDB), que exauria o Legislativo de Ribeirão há décadas. E, claro, a saída de alguns carnegões, como Silvio Martins (PMDB) que, embora menos lesivos, davam suporte ao grupo político que dominou a Casa nos últimos 20 anos.

A equação é simples: menos carnegões, mais juventude = legislativo menos ruim.

O estudo da Pró Cidadania é muito rico e, embora qualquer classificação sempre apresente problemas, merece ser visto pela sociedade. Os que desejarem uma cópia entrem em contato pelo e-mail easchiavoni@hotmail.com que encaminho.

A ONG analisa  pre=”analisa “>sete critérios, a saber: avaliação dos projetos de lei apresentados, uso da tribuna no pinga-fogo, uso da tribuna na ordem do dia, freqüência, participação em Comissões de Estudo, nível de debate legislativo e requerimentos. Depois, classifica os dez primeiros colocados em cada categoria.

O único que  pre=”que “>conseguiu entrar entre os dez  class=”hiddenSpellError” pre=”dez “>primeiros em todos os quesitos foi Gilberto Abreu (PV). Na sequência, com cinco seis avaliações, aparecem Glaucia Berenice e Nicanor Lopes, ambos tucanos; André Luiz (PCdoB), Jorge Parada (PT), Saulo Rodrigues (PRB), Léo Oliveira (PMDB), Coraucci Netto (DEM), Giló (PR), Silvana Rezende (PSDB) e Walter Gomes (PR).

 Já no nível três, menos  class=”hiddenSpellError” pre=”menos “>bem avaliados e com cinco indicações, estão Bebé (DEM), Bertinho Scandiuzzi (PSDB), Capela Novas (PPS), Oliveira Junior (PSC), Maurílio Romano Machado (PP) e Samuel Zanferdini (PMDB). No grupo das quatro avaliações, sozinho, está Waldyr Vilella (DEM).

Entre nós e sem processos, nenhuma surpresa nesse grupo, né?

Cícero Gomes ( pre=””>PMDB), presidente do Legislativo, fecha a lista como o menos bem avaliado, com classificação em três categorias avaliadas. Posição compreensível e que deve ser desconsiderada, segundo o Ação Pró-Cidadania, já que, por ser presidente da Casa, Cícero não vota nem participa das Comissões de Estudo.

Para Regina, o trabalho da ONG é uma espécie de bussola para o Legislativo. “Esperamos estar contribuindo para o exercício de sua função de vereador, incentivando-os a realizarem mais mais “>projetos de qualidade, a mudar regras que os impedem de fazer projetos realmente pensando na melhoria da qualidade de vida da população e a ter mais ações que conscientizem seu eleitorado para as ações específicas de sua função, que são a fiscalização das ações do executivo e secretarias”, avalia.

Além disso, Regina diz trabalhar para acabar com o clientelismo. “Pretendemos [que os vereadores] utilizem bem menos as ações clientelistas como nome de rua, homenagens  e honrarias, queremos que sejam mais criteriosos”, disse.

Ainda há, como se vê, um longo caminho a ser percorrido.

Fogão rumo a Tokyo

Tenho contido minha emoção por semanas, mas com a goleada sobre a Ferroviária, nosso tradicional pé no saco, por 1 a 0, gol do grossíssimo Oliveira, zagueiro zagueiro, eis que a tarefa torna-se hercúlea. Sim, passamos de fase. Os garotos o Botafogo mostraram o valor dos jovens e classificaram-se, mesmo em um torneio de péssimo nível técnico.

PS: em tempo, “roubei” a foto do site O Pantera Tricolo, cujo link está ao lado. Valeu, Lucas Vinni!

José Galli Neto, o mago tricolor: bom desempenho na Copinha é fruto do trabalho do treinador

José Galli Neto, o mago tricolor: bom desempenho na Copinha é fruto do trabalho do treinador

Desnecessário dizer, o Bafo, pra variar, não passou da primeira fase.

Importante notar o trabalho do técnico tampão José Gali Netto, que assumiu um time desmotivado e virtualmente eliminado das mãos de Macalé. Os resultados apareceram e o torcedor tricolor, que estava se acostumando a perder para times de menor expressão, como Itapirense e, pasmem! o Bafo, deu a volta por cima e chegou lá.

A equipe ganhou alma e, mesmo com um futebol sofrível, acredito que possa avançar mais. Tsmbém imagino que, com uma boa peneirada, talvez quatro ou cinco desses garotos possam ajudar a compor o elenco para o Paulistão. O Daniel Costa, que joga mais ou menos como o Hernandes do São Paulo – respeitadas as proporções, evidente – e o bom goleiro Jamilton, além de Érico e conrado, entr outros, podem ser alternativas baratas para compor um bom time.  Desde que, claro, n ão venham com a história de chamar de volta carnegões como Calisto e o pior goleiro do mundo, Paulo “Frangão Musse”.

Aliás, aprovitando a postagem, a coisa começou menos bem do que deveria. Com opçoes como Lula Pereira dando sopa, a diretoria preferiu seguir a meiabocracia que vem domindo a equipe nos últimos nos e optou por um comandante…como dizer…meia boca! Gali já disse que não quer ser mais técnico. Pretende voltar ao posto de Diretor de Futebol do Botafogo depois da Copinha. Talvez fosse o caso de a diretoria insistir um pouco. O Botafogo fechar com o péssimo Roberto Fonseca é um sinal preocupante.

Pale blue eyes

Pra começar bem a semana, um clássico de Lou Reed para momentos a little bit sads. Quem tiver a chance, ouça a versào com Marisa Monte

Sometimes I feel so happy
Sometimes I feel so sad
Sometimes I feel so happy
But mostly you just make me mad
Baby, you just make me mad

Linger on your pale blue eyes
Linger on your pale blue eyes

Thought of you as my mountain top
Thought of you as my peak
A thought of you as everything
Ive had, but couldnt keep
Ive had, but couldnt keep

Linger on your pale blue eyes
Linger on your pale blue eyes

Skip a life completely
Stuff it in a cup
They said, money is like us in time
It lies, but cant stand up
Down for you is up

Linger on your pale blue eyes
Linger on your pale blue eyes

It was good what we did yesterday
And Id do it once again
The fact that you are married
Only proves youre my best friend
But its truly, truly a sin

Linger on your pale blue eyes
Linger on your pale blue eyes

If I could make the world as pure
And strange as what I see
Id put you in a mirror
Id put in front of me
Id put in front of me

Linger on your pale blue eyes